segunda-feira, março 17, 2008

Portenho

São sete noites de frio
Sete longes de distância
Falta o quente das suas costas
Perco o cheiro da lembrança

Caras duras que me secam
Suando a roupa pesada e fria
Cortando as ruas européias
Desse mundo sul vindo da Espanha

E quanto mais o tempo pula corda
Mais corda o relógio ganha
Contando os minutos dos lençóis
Da saudade, do carinho e da lembrança.

Um comentário:

Stefania disse...

De onde vem essa inspiração?
Você deve ter uma bela musa!
Te amo!