quarta-feira, março 19, 2008

2001: Uma Odisséia no Espaço

Foi-se mais um representante da excelente safra da ficção-científica dos últimos tempos.
Sir Arthur Clarke conseguiu, em seus 90 anos e mais de 100 livros, reunir características difíceis de se encontrar nos cientistas: a didática popular e o tempo para dedicar-se à literatura.
Mais que um cientista-escritor, foi um professor tão especial quanto Isaac Asimov ou Júlio Verne para todos os leigos amantes da ficção-científica.
Para quem conheceu seu trabalho deixará saudades. Para quem não o conheceu, os livros ajudam a imortalizar seus valorosos conhecimentos.

Arthur C. Clarke – 16/12/1917 a 18/03/2008

4 comentários:

Anônimo disse...

Tudo bem....mas eu confesso que até hoje eu naum entendi o filme.... mas o cara era bom!!

Eilor Marigo disse...

Poucos entendem o filme. O final é muito enigmático mesmo. Se quiser posso explicar (não aqui para não atrapalhar quem não assistiu), mas também dá para entender bem lendo o livro.
Mas as grandes obras dele, na minha opinião estão nos contos!!
Abraços!

Eilor_A_Marigo disse...

O que Da Vinci previu, aconteceu. Julio Verne, Orwell, Asimov, Clark IDEM.
Será que a tecnologia realmente progride ou apenas realiza o que eles criam?
Os escritores de ficção nunca foram olhados com a importância que merecem. Será que se não houvessem os "tri-corders" em Star Treck teríamos celulares hoje?
Muito do que li nestes escritores foi acontecendo no decorrer da minha vida. É impressionante!
Será que estamos realmente lendo ficção?

PS: Muito oportuna sua lembrança. Parabéns.

Eilor Marigo disse...

Ps.: Você viu a capa da última revista Época (acho que vi na época...)? "Chama-se a era do algoritmo"!
Lembrei na hora da matemática de Seldon do livro Fundação do Asimov! Amanhã vou ler a reportagem para ver se tem ligação.

Abraço!